Scubidu Music - CNPJ 09.131.587/0001-42
Rua São Gall, 120

05054-170

São Paulo-SP - Brasil

11 3675-2943

music label

brazilian music

música brasileira

música independente brasileira

gravadora

selo musical

independent brazilian label
Scubidu Music

© 2023 por NYZ Produções . Orgulhosamente criado com Wix.com

  • w-facebook
  • shape-vimeo-invert.png
  • Twitter Clean

Mayra Andrade (Cabo Verde)

www.mayra-andrade.com
Junho/2014 - Sesc Pinheiros - São Paulo

MAYRA ANDRADE – Lovely Difficult

Mayra Andrade é lovely – adorável, generosa e radiante. A sua voz baseada nas suas raízes, distinta, poética e tropical, foi imediatamente descrita há uns anos atrás como reflectindo “outro Cabo Verde” – a sonoridade de uma Cesária Évora, libertada das voltas do destino e da insígnia da tradição. 

Com o lançamento agendado para breve, Lovely Difficult é o quarto álbum desta cantora de 28 anos, que afirma que a sua vida e objectivos não são tão simples como se poderia pensar. Não se trata de uma artista neo-tradicional. Pode ser adorável mas é também firme, arrojada e determinada. Adorável, mas um espírito livre tanto na sua música como na sua vida. O título do álbum, Lovely Difficult, é a alcunha que o seu parceiro em tempos lhe deu. 

A voz de Mayra é uma mistura de tons radiantes, dançantes, batidas aveludadas e melodias apimentadas. A sua voz está subtilmente “temperada” com pimento, como se a Europa da pop sempre tivesse sido um arquipélago tropical. As canções invocam um verão eterno que dispersa névoas e arrepios, mas que nunca recorre ao brilho facil do exotismo. Cantadas em crioulo cabo-verdiano, inglês, francês e português, as canções transportam-nos na sua imprevisibilidade quente e aventureira. 

A sonoridade pop de Mayra abrange o mundo inteiro, desde o romantismo ocidental até à sensualidade do sul, vai de um reggae europeu a uma África em três compassos. Trata-se de uma pop tropical e viajada. O seu objectivo consistia simplesmente em fazer música que reflectisse a sua vida. 

O seu destino é romanesco. O seu pai foi combatente na luta pela independência de Cabo-Verde, uma luta apoiada por Cuba. Como havia receio pela saúde da mãe durante a gravidez, a mesma partiu para ter a sua filha num “país irmão”. Como tal, Mayra nasceu em Havana e adquiriu a nacionalidade cubana. A cantora passou o início da sua infância na cidade da Praia, em Cabo Verde. Depois, aos 6 anos de idade, viajou com a sua mãe e o seu padrasto que era diplomata, para o Senegal, Angola e Alemanha. 

Em 2006, a cantora finalmente lançou o seu primeiro álbum – intitulado Navega, uma produção marcada pelas suas raízes e gravada acusticamente a um ritmo de três canções por dia. A cantora descreve o seu segundo disco, Stória, Stória…, como “um álbum de princesa”. Em seguida, gravou com um trio o concertos para a rádio FIP. A gravação serviu de base ao álbum seguinte, Studio 105. “Depois dessa altura, decidi que queria fazer um álbum mais pop.” 

A cantora admite claramente que Lovely Difficult é um paradoxo. “Trata-se de um álbum mais diversificado e pessoal. Sou uma mulher do meu tempo, afectada por inúmeras influências. Nunca compus ou cantei em tantos idiomas.”

Sim, Mayra Andrade fala e compõe “em quatro idiomas e meio”: crioulo cabo-verdiano, português, espanhol, francês e inglês (o tal meio). A cantora admite: “não gosto de discos que parecem uma salada russa. Seria uma humilhação fazer um disco que soasse a uma compilação de idiomas e de estilos.”

Lovely Difficult é exactamente o oposto: é a demonstração de uma liberdade e de uma individualidade que nada ligam aos limites estilísticos e linguísticos. Desta vez, a cantora colaborou com artistas de origens muito distintas: Piers Faccini, Tété, Benjamin Biolay, Hugh Coltman, Mario Lucio Sousa, entre outros. 

Mike “Prince Fatty” Pelanconi (que trabalhou com nomes como Lily Allen, Graham Coxon, etc.) produziu o álbum em Brighton e juntos conseguiram alcançar um prodigioso equilíbrio tendo que ele nunca tinha gravado um disco de world music e a cantora nunca tinha cantado música pop. Segundo a Mayra “foi o encontro de dois “iletrados” com grande sensibilidade que tinham apenas as suas antenas e os seus instintos para se guiar.” 

A cantora gosta de pensar que o seu álbum transmite o mesmo sentido de aventura que se pode encontrar na obra de Caetano Veloso. “Porque não permitir o crescimento, a mudança e o movimento? Porque não deixar o público habituado a esperar o inesperado?” Sim, totalmente lovely e honestamente difficult.