Scubidu Music - CNPJ 09.131.587/0001-42
Rua São Gall, 120

05054-170

São Paulo-SP - Brasil

11 3675-2943

music label

brazilian music

música brasileira

música independente brasileira

gravadora

selo musical

independent brazilian label
Scubidu Music

© 2023 por NYZ Produções . Orgulhosamente criado com Wix.com

  • w-facebook
  • shape-vimeo-invert.png
  • Twitter Clean

McCoy Tyner (EUA)

www.mccoytyner.com
Maio/2012 - Virada Cultural - São Paulo
Outubro/2013 - Sesc Jazz - São Paulo

O pianista McCoy Tyner ficou famoso como companheiro de John Coltrane em sua

grande viagem sonora, como integrante do mítico quarteto de 1960 a 1965. Tyner

nasceu e cresceu em Filadélfia e estudou piano de maneira sistemática por vários

anos desde muito jovem. No início da carreira, deixou-se influenciar por Bud Powell,

Thelonious Monk e Art Tatum, porém logo desenvolveria um estilo próprio. Ainda

adolescente, em 1959, trabalhou seis meses com o Art Farmer-Benny Golson Jazztet

e em seguida juntou-se a Coltrane.

 

Estando ainda com Coltrane, começou a gravar discos sob seu próprio nome. É interessante notar que, mesmo após deixar o inesquecível quarteto, a carreira de Tyner não foi um anticlímax, como se poderia   suspeitar depois de ter participado de uma aventura sonora de tal magnitude. Ao

contrário, seu prestígio continuou crescendo. Seu estilo se tornou talvez mais

extrovertido, mais desenvolto - devido, possivelmente, ao fato de não estar mais à

sombra de um gigante (ainda que Coltrane jamais negasse a seus colaboradores

plenas condições de se expressar individualmente).

 

Mas o importante é que a marca registrada de Tyner - o uso magistral dos acordes - permaneceu.

Os acordes de mão esquerda de Tyner estão longe de constituir mero

acompanhamento. Graças a um grande conhecimento das potencialidades acústicas

do piano e a uma concepção harmônica incomparavelmente avançada, Tyner usa os

acordes para conduzir a ação, para estabelecer as linhas mestras. Os acordes são

protagonistas, não coadjuvantes. Outra característica marcante é que, ao contrário de

muitos pianistas, à medida que o desenvolvimento de um improviso se encaminha

para seu clímax, Tyner não começa a congestionar o espaço sonoro com um frenesi

de notas rápidas, sugerindo um extravasamento emocional. Ao contrário, ele começa

a jogar cada vez mais com grandiosas e sofisticadas seqü.ncias de acordes em

ambas as mãos, deixando-os soar plenamente, valorizando suas ressonâncias.

 

Os solos de Tyner freqüentemente seguem um padrão de desenvolvimento que, ao

contrário do usual, vai do exuberante ao extático (e apenas falsamente es-tático). É

como se Tyner julgasse que a máxima dramaticidade há de ser obtida pela máxima

introspecção, pela máxima concisão.